BannerT6-2

Meu labirinto e os sentidos do deslumbramento, por Elza Tamas

Meu ouvido esquerdo não escuta, mas leva sustos, prevê tempestades e reconhece ambientes excessivamente tensos.  E também assobia em alerta quando eu estou para além de cansada. Um episódio de etiologia desconhecida rompeu a ligação nervosa que comunica a cóclea com o cérebro.  Quer dizer, com este ouvido escuto, mas não sou mais capaz de transformar o que escuto em som. Tenho uma antena, outrora especializada, agora aberta para livres captações.

Ver com os ouvidos, degustar com sons, escutar com os olhos.

Sinestesia é o fenômeno no qual a experiência de um sentido pode estimular outra área sensorial e operar conjuntamente com ela.

Edgar Degas

Graças a esta possibilidade plástica dos sentidos, Edgar Degas quando não conseguiu mais enxergar o suficiente para pintar, usou as mãos para esculpir e Beethoven surdo, visualizou a musica.

As artes estão repletas de experiências sinestésicas que soam como verdadeiras metáforas. No tipo sinestésico som-cor, o condutor de uma orquestra, por exemplo, vê uma explosão de cores ao reger uma sinfonia. Os compositores Leonard Bernstein, Nikolai Rimsky-Korsakov, e Franz Liszt eram todos sinestésicos.

Edgar Degas

Sinestésicos espaciais têm experiências de caráter tridimensional. Quando pensam num ano, ele pode aparecer como algo localizado no espaço próximo do chão, por exemplo.  Os dias podem se apresentar como volumes e os meses como seres com características peculiares. Abril pode ser um bonachão alegre, por exemplo.Estas metáforas sensoriais nos são bem próximas: conhecemos o gosto pouco convidativo de uma segunda feira e o brilho especial da sexta feira,  o verdadeiro sun day.Este fenômeno foi primeiramente descrito na academia ao redor de 1880, por Francis Galton, antropólogo e cunhado de Charles Darwin, ele mesmo um sinestésico de um tipo muito curioso. Digamos que ele era capaz de fazer contas pelo olfato, usando pitadas aromáticas de menta e canfora como medidas para somar e subtrair. Encorajado pelos resultados, começou a condimentar a matemática com açúcar, sal, quinino e outros temperos. Confesso que tenho muita dificuldade em entender como cheiro e aritmética podem se associar, embora reconheça o universo da matemática como um conceito volátil, inapreensível e os números como experiências incorpóreas, abstratas como um perfume.Num tipo mais raro sinestésico, as palavras estimulam a resposta gustativa. Seria como se a cada vez que eu pronunciasse a palavra metamorfose, minha boca fosse inundada pelo gosto de chocolate.No tipo sinestésico mais comum, letras do alfabeto se apresentam coloridas.O escritor Nabokov, outro sinestésico famoso, descreveu gamas de cores verdes para certas letras: folhas envelhecidas para a letra f, maças ainda a ponto de madurar para a letra p, pistache para letra t. Entre as marrons, o g, era borrachento e fofo, enquanto a letra hera monótona como um laço de sapato.Importante ressaltar que não estamos falando apenas de figuras de linguagem, mas de experiências sensoriais percebidas em áreas distintas do cérebro que com os recursos tecnológicos atuais, podem ser registradas em laboratório.

A sinestesia parece estar relacionada com um número maior de sinapses e com aumento de massa branca no cérebro. É hereditária, embora se expresse de formas completamente distintas entre pais e filhos. Mais presente entre os artistas sempre suscita a reflexão em torno da genialidade: teria ela um substrato de fato fisiológico ou os desafios de ver o mundo de outra forma, determinariam outro funcionamento do cérebro? O ovo ou a galinha?

 

trailer do filme “minha amada imortal”. Trecho em que Beethoven executa  “Sonata ao luar”.

Veja a lista de famosos sinestésicos

http://www.psychologytoday.com/blog/finding-butterfly/201104/are-you-synesthete

Livro  – Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos – Oliver Sachs

Comentários