edith banner 2

O QUE FICA DO QUE ESCAPA por Edith Derdyk

 

 

escrevo e desenho como uma sanfona,
ar e fólen, em trânsito, em passagem;

 

 

iscar a primeira linha de um espaço em branco.
a linha carregada por um corpo que vai e vem,
de um ponto ao outro e de outro a outro, a linha multiplica a fiação.
o corpo rasura suas idas e vindas desenhando textos voláteis no ar.
pontos em movimento desalinham trilhas, sem fim,
com pausas e pousos, respiro

 

 

a linha esculpe lugares, aborda contornos, limita arredores,
costura o espaço ao próprio espaço, convoca topografias aéreas.

desenho ao vivo: a linha estendida é a musculatura do ar,
ossatura do espaço, mecânica que não se fixa.

e a linha do novelo mental nunca traça a mesma trilha,
desfia o pensamento, desafia o espaço.

 

 

a fiação do trabalho: ficção fixando experiências
de tempo e  espaço, mesuras desmedidas.
o que sobra? frestas de espaços de tempo
entre um pensamento e  outro, entre uma ação e outra.
e a linha habita este lugar informe entre uma coisa e outra.
gestos suspensos no fluxo temporal que nos atravessa,
aqui e agora, entre  eu e você .

e é assim que faço com as mãos do corpo do pensamento:
sem fios de extensão, as linhas se estendem em palavras, fugazes.

estas palavras não retratam idéias;
talvez  capturam, na contraluz, as sombras de pensamentos
e percepções que se projetam no espaço, se pulverizam no ar.

 

  

e é assim: escrevo como respiro, desenho como escrevo.
e o ar é passagem, nem aqui,  nem ali,  é pelo meio;
a vida pede passagem, a morte pede passagem;
somos alguns viajantes percorrendo as gotas frágeis
de nossas pequenas eternidades – aqui e agora.

 

 

nem saberia como designar  a pulsão de tensionar linhas
que se estendem se alongam se contraem que se  recolhem,
se projetam em iscas vetores direções ritmos;

e depois de fazer, desfazer, deslocar e descolar.
é o que fica do que escapa, pedaços de tempo em estado nômade.

 

 

Imagem 0_  livro  de artista Cópia:Dia Um _2010; Imagem 1 _ desenhos e projetos de instalações; Imagem 2_ Sopro_2010 (agulhas e linhas)_Memorial da América Latina_foto Kátia Kuwabara; Imagem 3_Metragem_20112 (papel , linhas e grampos)_SESC Bom Retiro_foto Katia Kuwabara; Imagem 4_detalhe_ foto Katia Kuwabara; Imagem 5A e B_Rasante_2002_coletivo Galpão 15_foto Denise  Adams _prêmio APCA

 

Edith Derdyk  tem realizado exposições coletivas e individuais no Brasil (MAM- SP/RJ, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Centro Cultural Banco do Brasil/RJ, MASP, Centro Cultural São Paulo, Instituto Tomie Ohtake, Paço das Artrs_SP, Paço Imperial_RJ, Casa das 11 Janelas_Bellém e
outras) e no exterior (México, EUA, Alemanha, Dinamarca, Colômbia, Espanha,
França, Suíça, Bélgica). Prêmios e  Bolsas: Artes Visuais/FIAT/1990; Vermont Studio Center,USA/1993; The  Rockefeller Foundation_Bellagio Center,Itália/1999; Bolsa Vitae de Artes/2002; APCA/2002; Prêmio Fotografia Porto Seguro/2004; The Banff Centre_Canadá Autora: 2012.Linhas de horizonte/Intermeios; 2011. Desenho Impresso. Buriti Edições Limitada; 2010. Linha de Costura.Com/Arte; Formas de pensar  o desenho. Ed.Zouk;  Tudo que reluz. Buriti Edições Limitada; 2008. Disegno.Desenho.Desígnio – antologia sobre desenho. Editora Senac; 1989. O desenho da Figura Humana. Editora Scipione.

Para saber mais sobre  o trabalho de Edith Derdyk:
www.edithderdyk.com.br

 

Comentários