Maya-Civilization-Partially-Doomed-by-Climate-Change

O CALENDARIO MAYA – 21/12/2012 por Mark Lund

 

Estamos nos aproximando da data dos Mayas tão aguardada.
Poucas datas receberam tanta atenção e geraram tantos livros e tiveram
tantas teorias divulgadas. A maioria sem fundamento.  Mesmo que
muitas  dessas teorias furadas parecem ser frutos de um alarmismo e
sensacionalismo, não deveríamos ignorar a ciência e raciocínio profundo
por trás dessa data: 21/12/2012.

Quando eu a  vi pela primeira vez, uns dez anos atrás,  o que me chamou
a atenção foi que no mínimo se  tratava de uma data astronômica: por ser
o dia 21 de dezembro um solstício.  Um solstício significa que os “dias” a
partir  dessa data do ano começam (para nós do hemisfério do sul) a
“encurtar”.  O sol nessa data inicia a sua mudança de  rota, e começa a
assumir uma trajetória em que cada dia ele passa um pouquinho
mais ao norte.

Por ser uma data astronômica o que estava por trás das “Profecias Maya”,
e não uma visão  mística de um Nostradamus, ou a canalização de uma
mensagem de um ente estelar, eu me encantei.  Me encantei por ter
imaginado que, por ser astronômica e científica, eu poderia refazer o cálculo
que levou a essa profecia.   Em retrospecto, depois de 10 anos de muito
estudo, hoje vejo quão presunçoso eu fui.  Meus estudos me obrigaram a fazer
viagens aos sítios arqueológicos e entrar em inúmeros campos acadêmicos
(geofísica, astrofísica, mitologia, estudos orientais, arqueo-astronomia e
várias outras disciplinas). Mesmo assim, depois de tudo isso, vejo que eu nem
arranhei a superfície da imensa sabedoria que está por trás da cosmologia dos
Mayas.

maya Glifo TEMPO

Faltam menos de duas semanas para a data chegar.
Vai “acabar o mundo”?  Vai ser o “apocalipse”? O mundo não acabará,
o planeta passa periodiamente por processos desconstrutivos e desde
que a vida apareceu aqui na Terra,  jamais foi extinta.
Em  outras palavras; nem o mundo e nem a vida vão acabar,
muito menos de um dia para o outro !  E o conceito de um “apocalipse”
associado à data 21/12/2012 é uma projeção bíblica (que  se originou na
Persia) superposta a uma cosmologia indígena de América Central.
Temos que ter cuidado com tais con-fusões.

Talvez a coisa mais fascinante que aprendi nessa jornada de 10 anos foi a
descoberta de um fenômeno terrestre que gera um ciclo astronômico de
quase 26,000 anos.  Já fiz palestras para dezenas de platéias,
centenas de pessoas, e só uma ou duas delas tinha ouvida falar desse ciclo
chamado “PRECESSÃO”.  Até estudar os Mayas, eu não tinha a mínima noção
de que a Terra tem um terceiro movimento além de rotação e translação:
a PRECESSÃO.


O dia e o ano eram ‘fichinhas’ para os povos antigos da China, India, Egípcia,
Grécia, e América Central.  O que lhes interessava era mapear esse
mega-ciclo celestial de PRECESSÃO.  As  cosmologias e as mitologias de
todos esses povos se baseavam nesse terceiro movimento (um
cambaleamento do planeta). E garanto: se voce não entender os múltiplos
ciclos dentro do mega-ciclo da PRECESSÃO, os mitos vão parecer ser
fantasias de um bando de  primitivos.

MAYA -Pacal Votan tombstone

Agora, se  voce abordar os mitos e a cosmologia dos povos antigos
(principalmente os Mayas) entrando pela porta da PRECESSÃO,
voce vai se deparar com um conhecimento astronômico tão
complexo
que terá a mesma reação perplexa de todas as minhas
platéias: “como é que eles sabiam disso?”.  Então sugiro que ao
inves de aceitar ou rejeitar a data dos Mayas, que faça a sua ‘lição de
casa’ e descubra esse fascinante fenomeno e o mega-ciclo de TEMPO
que ele gera; e que tanto intrigava o mundo antigo, e que a grande
maioria da nossa sociedade moderna desconhece.
Daí, a sua pergunta vai ser bem  diferente: “por que é que os nossos
sistemas de educação sempre ignoraram um dos maiores espetáculos
celestiais do cosmos?”.

Clique aqui e entenda a contagem do tempo Maya e como o dia 21/12/2012 zera o calendario MAYA.

 
Mark Lund é provavelmente mais conhecido pelos 20 anos em que
marcou o litoral norte de São Paulo com seus dois empreendimentos:
a doceira Le Moussier que acabou abrindo lojas no litoral, na capital, e no
interior de São Paulo e uma espécie de Hard Rock Café do surf, localizado em
Maresias chamado “Legends”. Esses empreendimentos o levaram a GV e
a dar palestras em universidades
nos EUA, sobre o seu empreendedorismo de “lifestyle” tão único.
É palestrante em diversas outras áreas: para empresas de surfwear
sobre “A Espiritualidade Havaiana”; na Casa do Saber e na USP
sobre “A Visão Cética do Aquecimento Global”; no TEDx daluz
sobre “A Jornada do Herói” de Joseph Campbel.
Porém, há 10 anos um dos temas favoritos tem sido a “Arqueo-Astronomia”,
que sonda a astronomia escondida por trás das obras da mitologia
(narrativas e monumentais). Baseado nesses estudos ministrou muitas
palestras sobre a mitologia astronômica dos Mayas e outros povos, e acabou
se tornando um profundo conhecedor do calendário Maya.

[email protected]

 

Comentários