E-se-abelhas-amarelo

E SE AS ABELHAS DESAPARECESSEM DA FACE DA TERRA por Elza Tamas

 

“Se as abelhas desaparecessem da face da Terra, a espécie humana teria somente mais quatro anos de vida” Esta frase atribuída a Albert Einstein, evidencia o papel vital exercido por esses insetos.

Sem abelhas, não haveria a polinização, e a cadeia ficaria totalmente comprometida: plantas, animais, homens.

Um terço do que comemos depende diretamente do papel das abelhas na natureza. Mas, as abelhas estão morrendo num fenômeno sem precedentes, antes limitado a Europa ( onde começou a ser notado em 1960) e a America do Norte, e hoje já observado na Africa e Asia também. Milhares de colônias vem desaparecendo sem nenhuma explicação plausível.

Os cientistas trabalham sobre 3 hipóteses: um vírus atípico estaria exterminando as abelhas, pesticidas e a variação da forma como a agricultura é estabelecida hoje ( vastas extensões de monoculturas, também chamados de deserto verde porque impossibilitam abelhas e outros polinizadores de encontrarem alimentos nesta área )

O intrigante é que as hipóteses se contradizem: cidades que baniram o pesticida acusado, mesmo com o passar dos anos não tiveram uma melhora no aumento de abelhas; no entanto na Austrália, o pesticida é utilizado e a morte das abelhas não é observada. O fenômeno ganhou até uma sigla CCD – colony collapse disorder (desordem de colapso de colônia).

 

Markus Imhoof, cineasta suíço, ele mesmo de uma família de apicultores, escreveu e dirigiu o documentário MORE THAN HONEY.

Aqui o trailer, cheio de imagens lindas e boa informação sobre o tema.

 

Foi lançado no Brasil pela Imovision, com o nome: MAIS QUE MEL

 

O tema é intrincado, vários fatores estão envolvidos passando até pela ideia de que abelhas geradas em confinamento não se adéquam mais ao habitat externo. A BBC fez um documentário muito esclarecedor sobre o tema.

 

fotos retiradas do material de divulgação do filme More than honey  

 

 

 

 

Elza Tamas é psicóloga clínica e escritora. Concebeu e desenvolve o site forademim.com.br

 

 

 

 

 

Comentários