E-se-tommy-ingberg

MIRAGENS por Safira Lyra

 

Quando escutamos o choro de um bebê, entramos num estado de ansiedade e impotência. Imediatamente buscamos recursos que ajudem a cessar o quanto antes aquele estado de desconforto vivido pelo bebe. O choro é a comunicação entre o bebe e o mundo externo ; uma linguagem que aos poucos, as figuras parentais vão aprendendo decifrar. Segundo a Psicanálise, o bebê para suportar estados de privação ou de desamparo, fantasia; isto é, devaneia uma situação de satisfação e plenitude, e assim se acalma. O fantasiar se inicia precocemente na vida psíquica da criança, é um mecanismo temporário de proteção, uma ferramenta útil para diminuir a ansiedade e suportar o desconforto, mas insuficiente, logo o choro recomeça e o bebe retorna à vivência dolorosa de privação. Crescer é também se frustrar.

A vida adulta pressupõe privações. Também temos nossos choros, nossas gritarias, e não podemos mais esperar por uma mãe suficientemente boa para nos confortar, ou o acolhimento ideal do Outro. E assim fantasiamos: E se? E se pudéssemos trocar de parceiro, trocar de corpo, trocar de trabalho, trocar de vida?

Como as crianças, adultos também possuem mecanismos de escape frente a situações difíceis. Uma parte de nossa atividade mental se desconecta da realidade frustrante e se desloca para um plano, onde situações fantasiadas e idealizadas funcionam como fonte de um suposto prazer imediato, encobrindo o que nos limita. Vemos com frequência isso nas adições, nos vínculos virtuais e na busca compulsiva pelos estados de excitação.

O “E se” nos desloca para um espaço imaginário, ilusório, povoado de nostalgia ou de idealizações futuras. Um escape do tempo presente. A atitude que nos conecta com a vida, não é uma fantasia “E se”, mas sim uma aceitação, “Apesar de”.

O “Apesar de”- dos Outros, das privações, das frustrações- é o que nos possibilita sonhar. A fricção do encontro entre o que eu desejo e a realidade é que gera a faísca da Ação. Os limites não esvanecem a minha pessoa no mundo, não me enfraquecem, mas corporificam um nome próprio, apesar de…

 

foto banner: Tommy Ingberg

 

 

 

 

Safira Lyra é psicóloga e psicanalista, apesar de.

 

 

 

 

Comentários