RP-saatchi-online-artist-cecilia-westerberg-watercolor-painting-an-other-love-story-1343861768_b

AS AVENTURAS AMOROSAS DE BERNADETE CAMACHO por Cintya A Nunes

São Paulo, 19 de abril de 2012.

Pedro Antônio, hoje é dia do índio. O que me faz lembrar das flechas. Lembro do cupido que me flechou quanto te conheci. Mas, agora, quero te dizer algumas palavras. No início, via em você um homem admirável. Sua inteligência cutucava a minha. Sua beleza me iluminava. Um homem do jeito que eu acreditava que um homem tem de ser, que me envolvia em seus braços só com o olhar. Você sabe que muita coisa neste mundo me assusta e ter alguém do meu lado é importante. Hoje quando procuro suas qualidades não enxergo nada. Talvez existam, porém diluídas no vazio que você se transformou. Agora, você para mim não passa de um poste de luz. Sem luz.

Bernadete Camacho

Próximo passo: partir para sites de namoro e aplicativos de celular. Afinal, onde é possível o amor acontecer? Bares, festas, noite, amigos de amigos, cursos e viagens já tinham sido explorados e nada. Internet também, mas sempre é mais fácil. Valia a pena tentar de novo.

Bernadete Camacho não era seu verdadeiro nome. Teve de criar um apelido de guerra porque estava manjada no ambiente virtual. Virou Bernadete, Berna. Sites como Amor Perfeito, aplicativo Tinder e por aí vai. Talvez encontrar sua alma gêmea não seja tão difícil. Ops, “match”. Será que ele escreve ou Berna escreve primeiro? Ah, deste aqui ela não gostou. Essa coisa de foto em cima da moto não dá. Foto de cara dirigindo também não dá. Falar que a avó é seu exemplo de vida é outra coisa que lhe dava sono. Pulou.

Aí pinta um cara que diz que ela tinha alguma coisa diferente, difícil explicar. Bernadete acreditou, claro. “Match” no rostinho. Trocaram várias mensagens. Ele, muito divertido, bem do jeito que Bernadete gostava. Já tava dando aquela vontade de marcar um choppinho e aí o sujeito vem com uma boa. Gostei do seu batom, que cor é? Bernadete sempre espirituosa, nem desconfiou. Sim, o cara era. Era o que você está pensando.

O próximo tem foto com filho no perfil. Já se assume pai. Legal, parecia amoroso. O papo foi longe. Engraçado, bonitão. Depois de uma semana, a pérola: há quanto tempo você está solteiro? Sou casado. Como assim você é casado?! Desculpe, mas não tô pra isso. Tô a fim de algo sério. Mas relacionamentos sérios não são chatos? Quero só uma amiga, curti muito você. Pensei que você fosse mais descolada. Bernadete também pensou.

O dedo já dói de tanto teclar. Mas e a alma? Essa ainda não foi tocada. Peraí que o celular de Berna acaba de apitar. Ah, que pena, é o cara da pizza avisando que chegou.


Cintya Aguiar Nunes é formada em Comunicação Social, redatora atuante no mercado publicitário há quase 20 anos e contadora de histórias voluntária na AACD, desde 2010, pela ONG Viva e Deixe Viver. Há algum tempo, se aventura pela Literatura, testando onde esta costura de verbos e sujeitos pode nos levar.
Vai lá no www.escrevinhacoes.wordpress.com e descobre mais

 

foto banner : Cecilia Westerberg – another Love story

Comentários