Arquivo da tag: falsificação

Os falsificadores de arte

Em 1945, com a queda da Alemanha nazista,  foi instaurada uma Comissão  de Arte Aliada com o objetivo de localizar e repatriar obras de artes e outros bens pilhados pelos nazistas durante a ocupação.

 

Num destes lotes, foi encontrada uma obra de Vermeer, o pintor holandes da cidade de Delft.  Os  registros sobre a obra  mostravam que ela não havia sido roubada, mas  que  fora comprada e que   pertencia ao acervo pessoal de Hermann Goring, o segundo homem mais importante na hierarquia do terceiro Reich. A obra em questão era “Cristo com a mulher surpreendida em adultério”

cristo e a mulher surpreendida em adultério

 

Rastreando as informações,   a comissão chegou a Han van Meegeren,  pintor e marchand ocasional como um dos elos da venda da tela. Meegeren , foi  procurado pela policia e  reconheceu o seu  envolvimento  na venda, mas alegou que nunca poderia imaginar que o quadro acabaria na mão de um agente alemão. O interesse da comissão era que o quadro retornasse ao seu dono de origem, no entanto  Meegeren se recusava a informar de quem tinha comprado a obra, justificando  preferir proteger a origem do quadro, uma familia holandesa vivendo na Italia , para evitar que eles tivessem problemas com a policia Italiana.  Como não pode apresentar documentos que atestassem a compra legal da obra, Meegeren recebeu ordem de prisão, foi considerado traidor e acusado de vender uma obra do tesouro nacional ao inimigo.

Na prisão, Meegeren sabia que teria que fazer uma opção:  ou morreria como traidor ou teria que se denunciar e  a sua obra, reconhecida e imortalizada como  um precioso Vermeer, se revelaria como apenas um quadro feito por um falsário,  ele mesmo.

cristo e os discípulos em Emaús em exposição no museu de Roterdam

Meegeren produziu vários Vermeer, o mais famoso deles “Cristo e os discipulos em Emaús”  e muitas das suas  obras foram  expostas em famosos museus não só na Holanda.

Tinha o reconhecimento da crítica e nunca copiara nenhum dos quadros que fazia. Apenas executava novos Vermeer,  que  quando reconhecidos eram  incluídos como novas descobertas no catálogo do pintor e comercializados a preços elevados. Preferiu denunciar a  farsa e  ser julgado como falsário, à pena de morte pela forca imposta aos traidores.

Cristo entre os doutores

Para isto produziu na frente  de especialistas, na prisão,   seu ultimo Vermeer,  “Cristo entre os doutores” . Explicitou as técnicas de envelhecimentos, corantes, pigmentos. Foi julgado e condenado como falsário a um ano de prisão e morreu de ataque cardíaco  duas semanas depois.

 

 

 

Copia Fiel

O que é original? O  que é  cópia?

‘Se a qualidade de uma obra de arte depende do contexto  e está nos olhos de quem a vê, então uma falsificação pode ter a mesma validade do original. É como a imagem da Coca-Cola reinventada pela pop art.’

Essas frases estão presentes nos momentos iniciais do filme  Cópia Fiel,  de Abbas Kiarostami, proferidas na palestra de  James Miller, um escritor inglês que  está na Toscana promovendo o seu livro, Cópia fiel. No entanto a idéia do falso, verdadeiro, permeia todo o filme e  se estende para o âmbito do relacionamento humano. No terreno do sentimentos, o que é real  e o que é imaginário?  Se nos comportamos como um casal, acabamos nos tornando um casal?

Juliette Binoche está belíssima no papel de Elle , uma galerista francesa com quem James passeia por vilarejos lindos, na região da Toscana.

A própria Juliette quando  fixa a câmera  e  cria a ilusão de um espelho, nos mostra a essência do que é o cinema. Durante todo o filme, Kirostami nos faz num momento  acreditar e no outro  desacreditar totalmente,  flutuando de acordo com  nossa própria subjetividade.

Mas eram ou não? Não importa.  No caso, a pergunta é muito mais interessante do que qualquer resposta.