Arquivo da tag: Leda Cartum

origens Marcio Cabral Paepalanthus Galactic  Sony World Photography awards1

Edição Origens

Origem é o cálcio da estrela no meu metatarso, a ponta da flecha, o x e o y, o medo da morte. É Nyx, a noite escura, é a bola de couro, é a bola da Terra, é Gaia, é o grito de gol. É o pátrio, é a mãe, minhas costas; é o lácio, é Lucy, é Aurora. Tudo que é original tem a ver com a origem; é a ideia que espoca, é o disco de ouro na nave voyager que toca Chucky Berry. Origem é o agora, é o futuro, é ver nascer a máquina mais inteligente que o homem.

Para falar de origens na história, no espaço, na imaginação, na psique, no futuro, nas artes, convidamos:

LEDA CARTUM escritora, com o conto Atrás de todas as coisas.

JESPER RHODE especialista em  mídias e tecnologias.  Inteligência Artificial chegando logo ali.

MAGDA PUCCI musicóloga, artista,  e o link entre a origem da musica e a linguagem.

ALEX CERVENY  artista plástico, compartilhando em 1a. mão sua próxima exposição : O GLOSSÁRIO DOS NOMES PRÓPRIOS.

ANDREA MIGLIANO  PHD formada em Antropologia biológica pela Universidade de Cambridge e as origens e singularidades dos homens

ROSA DORAN astrofísica brasileira residente em Portugal sobre a origem do Universo e dos questionamentos

AUDE KATER  terapeuta e artista, especialista  em Constelações Sistêmicas sobre os efeitos da anscestralidade no nosso comportamento

e  um conto de ELZA TAMAS  sobre as  suas origens húngaras.

 

 

origens banner Leda CArtum1

ATRÁS DE TODAS AS COISAS por Leda Cartum

Sou testemunha da infância dela que corre ao meu lado: estamos no mesmo banco de trás do carro, mas ela assiste a um desfile de mundos misteriosos pela janela (por que nunca pode fechar o cruzamento?) enquanto o meu olhar ultrapassa a rua e não fixa ponto nenhum. Daí me vejo comentando com os adultos do banco da frente: que essa avenida costuma estar mais congestionada. No que eu e ela nos entreolhamos e a percebo interrogativa, como se tentasse depreender um significado impossível a partir do que acabo de dizer: para ela essa frase é enigmática, pertence a um universo hermético a que ela esteve sempre ligada sem nunca poder conhecer. A frase que trata da frequência do congestionamento da avenida repercute dentro de sua cabeça, cheia de realidades secretas e imensas: talvez contenha a resposta para todos os problemas, a solução dos mistérios; mas ela não tem acesso a isso. Essa frase, como que contornada por uma faixa amarelo e preta, é de acesso restrito: e ela só pode vê-la de longe na tentativa de adivinhar o que é que eu quis dizer: o que é que os adultos sabem e que ela não pode saber; qual é o segredo que se esconde atrás de todas as coisas.

*

Lembro de algo que aconteceu algum tempo atrás: sorrio, numa mistura de cumplicidade e compaixão, como se visse do alto aquela pessoa que fui há anos e que não sabia de nada do que viria a acontecer. É um sorriso parecido com aquele que costumamos dirigir às crianças, e que parece dizer: existe um futuro imenso que vocês ainda não conhecem. Há sempre uma névoa de ingenuidade que envolve as lembranças antigas e as crianças pequenas: quando é que, naquela época, ou nessa idade, poderíamos desconfiar de tudo o que surgiria e que nos levaria por esses rumos até chegar aqui e agora? Vem também uma certa vontade de voltar até aqueles momentos para envolver esses seres distantes que agora parecem fantasmas imersos no escuro, e consolá-los por sua ignorância.

Mas é só inverter o sentido desse olhar para que tudo de repente mude de figura: se tento dirigir o olhar para a massa amorfa e invisível de tudo o que está por vir; ou, antes: se tento me sentir olhada por aquela que serei eu em um lugar desconhecido e por enquanto inexistente que é chamado de futuro – daí as coisas em volta se tornam muito pequenas. Parece que elas se afastam e correm quilômetros ainda imóveis, e o meu próprio tempo deixa de ser certo e seguro. É uma sensação de vertigem que provoca uma espécie de queda dessa atualidade e nos joga para longe, como se não estivéssemos mais no lugar onde estamos. As coisas são reviravoltas no escuro.

 

imagem banner: Iluminura de livro do sec, XV  -Antoine Vérard, 1494 L’Art de bien vivre et de bien mourir.

 

 Leda Cartum tem 26 anos. Publicou o seu primeiro livro, As horas do dia – pequeno dicionário calendário (Editora 7Letras), em 2012. Formada em Letras pela Universidade de São Paulo, hoje no mestrado estuda o escritor Pascal Quignard – de quem está traduzindo o livro Le sexe et l’effroi. Trabalha com texto e produção escrita em diversas áreas, desde tradução e editoração até roteiros para cinema e TV. Seu próximo livro, O porto, sairá pela Editora Iluminuras em 2016.
foto: Sara de Santis.